Antes de qualquer coisa, vale o registro de que este artigo faz parte de uma série de posts que abordam um pouco sobre cada etapa do processo de construção de startups, elaborado pela Digital Labs. Perdeu o primeiro? Aproveita pra conferir a introdução de como construímos nossas aventuras também!

Hoje em dia, muito se fala sobre empreendedorismo e startups. A mídia passou a abordar mais o tema, as faculdades começaram a ter algumas iniciativas e, com tudo isso, “empreender” passou a ser uma opção desejada por muitos jovens. Segundo um estudo realizado pela Fundação Estudar, 69,8% dos jovens brasileiros entrevistados têm vontade de abrir o próprio negócio.

E tudo isso é excelente! O empreendedorismo, e particularmente para nós, com aplicação de tecnologia, tem um potencial de transformação enorme, e podem certamente ser impulsionadores de mudanças reais no nosso país.

Mas vamos lá, é bem importante ter o compreendimento correto e as motivações corretas para se aventurar com startups, não é mesmo? Então vamos conversar um pouco sobre isso?

Definições teóricas de empreendedorismo

Primeiramente, vamos tratar do tema “empreendedorismo”.

Em 1945, o economista Joseph Schumpeter utilizou a palavra em sua teoria da Destruição Criativa e abordou que o empreendedorismo só aconteceria através de pessoas versáteis, com habilidades técnicas para produzir, que possuem capacidade para organizar recursos financeiros, operações internas e realizar vendas.

Outra definição é a do estudioso Robert D. Hisrich em seu livro “Empreendedorismo”. Segundo ele,

“empreendedorismo é o processo de criar algo diferente e com valor, dedicando tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes e recebendo as consequentes recompensas da satisfação econômica e pessoal”.

Estas são algumas definições teóricas, importantes para termos um embasamento maior e ampliarmos nosso conhecimento, mas vamos ser um pouco mais objetivos?

O que é empreendedorismo para nós?

De pronto, empreender é encarar as situações com olhar de oportunidade e não de problema, é a capacidade de transformação das adversidades em situações positivas, é a capacidade de não apenas idealizar algo, mas executar e buscar a realização que isto trará. Ou seja, nada mais é que uma postura positiva de encarar e realizar seus desafios.

Repararam que em nenhum momento nós falamos sobre ter uma empresa? Ser empreendedor e ser empresário são coisas distintas. É fundamental termos isto bem claro na nossa cabeça. Ser empresário significa ser proprietário ou ter sociedade em uma empresa, e ponto. A confusão costuma acontecer por boa parte dos empreendedores acabarem criando também os seus próprios negócios, e por que isto acontece? Pelo simples fato de que desta maneira eles ganharão maior autonomia e capacidade de realizar seus sonhos. Mas, reforçando, ser um empreendedor vai além disso… esta postura você pode carregar para sua vida pessoal e para dentro de empresas que você seja um funcionário, e este caso é o que chamamos de intraempreendedores.

Nossos desafios

Aqui na Digital Labs assumimos um desafio extra quando idealizamos uma empresa como a nossa. Como vimos no post anterior, ter uma venture builder exige a criação de maneira repetível de novos negócios. E como abordaremos nos próximos artigos, ter uma liderança focada é fundamental para as chances de um negócio ser bem sucedido. Portanto, mais do que criar startups, a Digital Labs tem como objetivo formar novos empreendedores e líderes, e com isto independente da posição ou função da pessoa, ela terá a oportunidade de se desenvolver pessoalmente e profissionalmente para ter esta trajetória aqui dentro.

Com este comentário já podemos emendar outra observação, mesmo que você não seja um empreendedor hoje, você pode se transformar em um amanhã. É um processo de construção, de maturidade e de entendimento do seu propósito de vida que todos podem conseguir. Entretanto, nem todos vão realmente conseguir, em algum momento certos perfis de pessoas vão entender que não é exatamente isso que querem para elas, e está tudo bem também, nada reduzirá o brilho e capacidade que essas pessoas têm em executar com maestria determinado trabalho.

Mas e aí, o que é realmente uma startup?

Agora sim, após uma melhor compreensão do que é empreender, podemos falar sobre startups. Empreender transforma vidas, e recomendamos a todos. Já startup, não é tão glamouroso como a mídia pinta, e vamos explicar o porquê. 😉

A definição que mais usamos é esta:

Startup é uma empresa que está criando um produto ou serviço inovador, e se encontra em processo de busca e validação de um modelo de negócio viável, repetível e escalável.

Esta definição mescla conceitos trazidos pelo Eric Ries, responsável pelo livro Lean Startup, e Steve Blank, empreendedor serial do Vale do Silício.

Por que grifamos todas essas palavras? Porque existem características essenciais para diferenciar as startups dos negócios tradicionais e vamos explicar, detalhadamente, o que cada uma delas significa.

  • Produto ou serviço inovador — O produto ou serviço oferecido pela startup precisa ser inovador, isso não significa que precisa ser uma invenção, a inovação pode estar na maneira de produzir, de vender, de se relacionar com seu público ou em qualquer outro detalhe, o importante é que exista alguma novidade ou diferencial competitivo.
  • Validação de um modelo de negócio — O modelo de negócio é a maneira que a startup gera valor, gera receita. Esse modelo deve ser inovador e tudo que é inovador é incerto, reflete um risco a ser corrido, por isso esse modelo deve ser validado para que a startup consiga estruturar sua operação.
  • Viável, Repetível e Escalável — A startup possui um modelo de negócio diferente dos tradicionais, no qual precisa ser viável, repetível e escalável. Viável em termos de tecnologia e recursos, repetível para que ela consiga oferecer o mesmo produto para várias empresas ou pessoas, e escalável quando sua operação cresce em uma taxa inferior e não proporcional se comparada com o potencial de impacto e clientes utilizando seu produto.

Portanto, startup nada mais é que a fase inicial de uma empresa que possua as características citadas acima. Mais do que criar produtos, transformar ideias inovadoras, o foco dos envolvidos em uma startup deve estar em encontrar um modelo de negócio sustentável economicamente. É baseado neste modelo que a proposta de valor conseguirá ser entregue em alta escala e aquela pequena startup conseguirá se transformar em uma empresa bem sucedida.

O impacto delas em todos os setores

Somos apaixonados por startups aqui na DL (como costumamos chamar a Digital Labs :D), o potencial de impacto de negócios com este perfil é impressionante. As startups estão e vão continuar cada vez mais remodelando setores e negócios tradicionais. Quer alguns exemplos?

Estes são alguns prints de buscas no Google. Vejam a diversidade de setores! Temos notícias do setor financeiro, de saúde, hotelaria, imóveis, educação e até agronegócio. Ainda tem dúvida de como isso vai impactar negócios tradicionais? Que tal estes outros exemplos:

  • Uber, a maior empresa de taxis do mundo, não possui nenhum carro.
  • AirBnb, a maior empresa de hospedagem do mundo, por enquanto não é dona de nenhum hotel.
  • Alibaba, a maior empresa de varejo no mundo, não tem nenhum estoque em sua loja.
  • Facebook, a empresa mais popular de mídia no mundo, não cria nenhum conteúdo.
  • Netflix, a maior empresa de filmes do mundo, não dispõe de nenhum cinema.
  • Salus, a maior empresa de saúde do mundo, não possui nenhum hospital. (Este ainda não é verdade, mas é onde queremos chegar. :) Aliás, se quiser conhecer mais sobre o Salus, uma startup desenvolvida pela Digital Labs, que oferece consultas e exames médicos a preços mais acessíveis, acesse: www.salusapp.com)

Apesar de já clichês, esses exemplos ilustram e deixam claro, através de produtos e serviços que usamos diariamente, como indústrias tradicionais vão sentir (e já estão sentindo) esse impacto.

Tenha as motivações corretas

Fantástico tudo isso, não é mesmo? Porém, conforme combinamos no primeiro artigo, não vamos utilizar linguagem motivacional e nem tratar esse novo mundo como tudo lindo e glamuroso como a mídia às vezes transparece.

É necessário ter a motivação correta, sabe por quê? Porque se a sua motivação for apenas financeira, e sua expectativa for ter este retorno de maneira rápida, sentimos lhe informar, mas você vai se decepcionar.

Não existe sucesso da noite para o dia. Nos primeiros meses, e até anos, você possivelmente não ganhará R$1 da sua startup. Você precisa se preparar financeiramente para este período, ok? Não pense que você vai achar um investidor que vai colocar milhões na sua ideia assim de cara, isto praticamente não existe. Quer dizer, investimento existe sim, mas o investimento ocorrerá em casos que ao menos seu MVP (na tradução Produto Viável Mínimo) já esteja rodando, já esteja tendo a atração inicial e realmente entregando valor significativo para um certo número de clientes. Quer mais? Segundo algumas pesquisas, 90% das startups fracassam. Pois é.

Portanto, se você não tiver essa cabeça e atitude empreendedora, se você não estiver preparado psicologicamente e financeiramente para essa montanha-russa que vai iniciar, se você realmente não for apaixonado pelo problema e solução que está se propondo a realizar, é melhor nem começar. Você vai poupar energia, tempo e recurso financeiro deixando isso de lado.

Agora se você realmente está disposto, vai com tudo! O sabor da realização valerá todo sacrifício que fizer durante a jornada. Mantenha-se firme e construa seu próprio legado!

E, claro, se quer começar ou continuar nessa jornada, caminhe com a gente, acompanhe nossas dicas, nos dê seu feedback, no Facebook, ou se preferir, nos chame no e-mail [email protected].

About digitallabs

Somos um estúdio de startups focado no mercado digital, criado para transformar ideias inovadoras em realidade, através do desenvolvimento de soluções web e/ou mobile que buscam inovar em seus modelos de negócios.